sábado, 14 de abril de 2018

Bolsonaro não! O sistema corrompido e a grande mídia, ambos não o querem.


Ele é uma ameaça a estrutura corrompida do poder político que domina o país á décadas.




Por: Mendes Junior                                                               editar
O Patriota!

O sistema não quer Bolsonaro! Para o velho corrompido e estabelecido sistema político brasileiro, quem não é corrupto, não serve para integrar a colossal estrutura mantida e edificada sobre a robusta égide de governos corruptos que se sucedem e mantém-se da obscura e ardilosa conduta de corromper, fraudar, desviar, propinar e roubar recursos e verbas, o dinheiro público.

A corrupção não é uma exceção – mas uma regra é uma, fundamento de governos de homens públicos que não representam o público, a sociedade e o país, mas sim, a seus interesses, indivíduos que figuram, nos mais altos cargos do poder político do país, a nível: Federal, Estadual e Municipal, verdadeiros caciques, coronéis praticamente intocáveis pela justiça brasileira, quando são tocados – tudo não passa de um grande faz de conta: faz de conta que são presos, faz de conta que estão sendo penalizado pela justiça brasileira, para enganar uma sociedade refém da impunidade a ricos delinquentes, criminosos perigosos que são; roubadores e assassinos em serie, pois a grande maioria dos que estão no meio político do nosso país, se inserem nessa classificação de alta periculosidade, pois, os seus crimes estão à vista de toda a sociedade,como as toneladas de remédios apodrecidos em galpões do Rio de Janeiro, crimes estampados nas revistas, telejornais, na internet, nas varas criminais, com processos engavetados, que nunca andam. -Muitos desses homens já passaram pela vida, ilesos por conta de um sistema judiciário deficiente, ineficiente, injusto e também corrompido - e vassalo de grandes figurões do parlamento brasileiro. Onde, vergonhosamente vemos e ouvimos juízes da Suprema Corte do país, bradarem em alta voz, aos gritos em defesa de criminosos ricos, principalmente políticos; já outros, se ausentam das sessões de julgamento como forma de ficarem isentos de uma possível responsabilidade na condenação dos seus capatazes.

Um sistema de governo e poder que se mantém de desvios bilionários de verbas e recursos públicos, homens desumanos de vozes aveludadas, discursos macios, mas cheios de hipocrisia, os quais vivem do roubo de direitos essenciais da população; eles são responsáveis diretos por milhares de mortes de cidadãos pelo país, de norte a sul; de Leste a Oeste.
-Bolsonaro não! - O sistema não quer, a mídia não quer, e trabalha para isso, para que pessoas que infelizmente não tem conhecimento continuem sendo enganadas e  induzidas ao erro, no que refere às escolhas que fazem no campo político-administrativo; escolhas as quais temos visto e somos testemunhas do  modus operandí como atuam e procedem tais homens públicos ao longo dos governos que se sucedem; homens que não representam sociedade, nem a nação, mas sim, a se próprios, aos seus interesses, a economia pessoal e ilícita, obtida por meio da fraude, do roubo. -Então, Bolsonaro não serve, ele representa uma ameaça que pode romper com sistema corrupto e lucrativo dos grandes chefões das organizações que criminosas que dominam o país, entre essas organizações do crime político organizado, incluem-se principalmente as siglas: PMDB, DEM, PSDB, PT e entre outras. - Bolsonaro representa um inicio de uma mudança e de uma derrocada dessa grande estrutura, por isso, há uma grande tentativa, um conluio para associá-lo algo ruim, a imagem de um vilão, já que de fato não podem acusá-lo de atos de corrupção, pois o referido candidato é uma exceção – é ficha limpa, não há mancha de atos de corrupção na sua vida parlamentar.
-Já bateram tanto nesse cara! -Tentam denegrir a esse cidadão de uma forma tão absurda e desleal que fica muito claro o Por quê? -Verdadeiramente percebe-se que, os que vivem das mamatas das tetas da corrupção, não querem um candidato correto, integro nas atribuições de parlamentar - já incutiram na mente de uma grande massa que o cara tem ódio de tudo enquanto é gente, judeu, ateu, plebeu filho teu, já viveu, já morreu e o escambau; fazem de tudo para denegri-lo, para rotulá-lo como um monstro, percebe-se que as pessoas que aceitam esses rótulos que colocam em Bolsonaro, preferem mesmo é ser governadas e enganadas por corruptos. A última e mais recente tentativa de atingir Jair Bolsonaro vem da PGR, - algum interesse obscuro há por trás disso tudo, não creio pura e simplesmente na denuncia, que ela não esteja maculada, contaminada por algum motivo político-ideológico e partidário na tentativa de causar dano ao referido candidato.

Uma outra vitima dos ataques do sistema corrompido
 O Doutor Enéas provavelmente foi o brasileiro mais capaz que já nasceu nesse país; um homem de sabedoria e conhecimento impar, que sobrepujava o entendimento de alguns muitos, que estiveram diante dele, mas, mesmo assim, a mídia e o sistema corrompido procederam de modo semelhante ao que agora fazem com o Bolsonaro, rotulavam o Dr. Enéas como louco, lunático. - Muita gente, quando ouve falar de ordem, respeito e disciplina, tem crises de pânico, de insuficiência cognitiva e rejeição a esses aspectos, preferem antes a desordem, a qual, já estão acostumados.
Mas, uma coisa é certa, e eu certifico aos que estão a ler este texto: Se Deus (O Criador) de fato, for com ele, e o escolheu para a Missão; o mundo todo pode ser e estar contra ele, e não há quem poderá impedi-lo de ser o presidente desta nação, repito - não há quem possa mudar esse fato;  se, e se somente se - Deus estiver com ele. A Bíblia nos certifica que não há ser ou poder capaz, que possa se opor a ponto de poder interferir nos planos do Altíssimo.  - Aí vamos ver o que vai dar? – Aí, muita gente que se diz ser do lado de Deus, vai ver que na verdade - é contra Deus!. -Creio que ele somente será eleito, se for a vontade soberana de Deus, pois enfrentar e vencer esse sistema corrompido, monstruoso, e demoníaco que domina o nosso país, não é pra qualquer um; tem que ser coisa de Deus.
.
 O sistema corrompido quer qualquer um, por pior que seja, que venha a presidir o Brasil, mas não quer Bolsonaro, porque é um parlamentar integro, tem uma vida parlamentar limpa, e a grande maioria do Congresso composto por políticos que integram o sistema corrompido, e que estão na mira da Lava Jato, sabem que se eleito, Bolsonaro não vai aliviar inclusive para juízes da Suprema Corte, por isso, temem que ele seja o presidente da nação – Já o conhecem, sabem como ele age lá dentro do Congresso, rejeita de forma veemente atos de corrupção. - Querem destruir esse cara de qualquer jeito, estão usando de todos os meios para denegrir a imagem dele – acusações, injúrias, distorções – o rotulam como um mostro dos mais terríveis, - e, o que claramente se percebe, é que há toda uma articulação tendenciosa e do mal por trás dessas acusações.

sábado, 31 de março de 2018

Páscoa judaica X Páscoa cristã

História mostra como ocorreu a separação das duas festas religiosas


(Compartilhamento Gospel Prime)

Este ano, enquanto os cristãos celebram a “sexta-feira santa”, os judeus celebrarão o início da Páscoa. Mas na maioria dos anos, as duas celebrações são separadas, às vezes com várias semanas. Segundo as Escrituras, elas deveriam ser comemoradas no mesmo dia, pois ambas ocorreram no dia 14 de Nissan no calendário hebraico, que é lunar.
Há cerca de 2000 anos, judaísmo e cristianismo não eram vistos como duas religiões diferentes. Jesus, o Messias judeu, veio ao povo judeu com uma mensagem de salvação, e essa mensagem foi então pregada ao mundo inteiro.
No começo, os cristãos eram quase na totalidade judeus convertidos. Os primeiros discípulos eram todos judeus, com nomes como Yaakov (Tiago) e Yehuda (Judas) e Yochanan (João). De fato, o nome do Senhor era Yeshua, não Jesus, e Ele era chamado de “rabino”, não de “pastor”.
A data que Jesus morreu na cruz pelos pecados da humanidade não era coincidência. Foi em na Páscoa, quando os judeus lembravam o fim da escravidão no Egito e o livramento de Deus daqueles que creram nele. Além disso, Jesus ressuscitou dos mortos na festa das primícias, que ocorria naquele domingo. A vida do Espírito Santo, 50 dias depois, foi durante a festa judaica das Semanas (Shavuot). O nome grego é que a tornou a data conhecida como Pentecostes.
Todos os eventos relacionados com a morte e ressurreição do Messias, além do envio do Espírito aconteceram seguindo o calendário bíblico descrito em Levítico. Isso era algo muito claro para os primeiros gentios convertidos. Paulo fala sobre isso em sua carta à igreja de Corinto: “Livrem-se do fermento velho, para que sejam massa nova e sem fermento, como realmente são. Pois Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi sacrificado. Por isso, celebremos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da perversidade, mas com os pães sem fermento da sinceridade e da verdade” (1 Coríntios 5: 7-8).

Separação das datas

Somente depois de muito tempo os seguidores de Jesus começaram a referir-se ao dia da Sua morte como “sexta-feira santa”, e o dia da sua ressurreição como Páscoa. Na verdade, a Páscoa (pessach) é comemorada na sexta. Os cristãos ortodoxos até hoje distinguem esses dois aspectos, comorando a Pascha staurósimon (páscoa na Cruz) e Pascha anastásimon (Páscoa na ressurreição).
A separação das datas foi oficializada durante o Conselho de Nicéia, em 325 d.C., quando o cristianismo já era a “religião oficial” do Império Romano, após o decreto do imperados Constantino. O Concílio fixou a celebração da Páscoa no primeiro domingo depois da primeira lua cheia da primavera, seguindo a práxis habitual na Igreja de Roma.
A partir da Carta do Imperador para todos aqueles que não estão presentes no Conselho. Encontrado nos escritos de Eusébio [Vita Const., Lib. III., 18-20]:
“Quando a questão relativa ao sagrado Festa de Páscoa surgiu… Foi declarado ser particularmente indigno para isso, o mais santo de todos os festivais, a seguir o costume [de cálculo] dos judeus, que tinha as mãos sujas com o mais temível dos crimes, e cujas mentes estavam cegas. Ao rejeitar seu costume, que podem transmitir aos nossos descendentes o modo legítimo de celebrar a Páscoa, o que temos observado a partir do momento da Paixão do Salvador aos dias de hoje [de acordo com o dia da semana]. Nós não devemos ter nada em comum com os judeus, pois o Salvador mostrou-nos um outro caminho; nossa adoração segue um curso mais legítimo e mais conveniente (a ordem dos dias da semana); e, consequentemente, ao adoptar por unanimidade este modo, nós desejamos, irmãos caríssimos, separar-nos do detestável companhia dos judeus”.
Ficou, portanto, determinado que os cristãos celebrariam Páscoa na primeira lua nova depois do Equinócio da Primavera (de outono, no hemisfério sul). E isso pode ocorrer na mesma data, caso a lua cheia e o equinócio ocorressem no mesmo dia, que é sempre em 21 de março no calendário gregoriano.
Essa foi uma ruptura deliberada com o povo de Israel.
Além disso, a astronomia romana não era tão desenvolvida e a festa estava relacionada ao ciclo lunar do calendário judeu. A Páscoa Cristã varia a cada ano – entre 23 de março e 24 de abril. Isso ocorre por que é usado um sistema complexo, desenvolvido para tentar acomodar calendários diferentes, uma vez que a Páscoa Judaica é determinada pelo calendário bíblico, lunar e com ciclos de 28 dias.
O calendário ocidental (criado pelo papa Gregório em 1582) é solar e não combina com os ciclos astronômicos, por isso há uma grande variação.
O astrônomo Robert Cockcroft, da Universidade McMaster, no Canadá, explica que esse ‘problema’ foi resolvido quando se fixaram “datas eclesiásticas”, diferentes das datas astronômicas: “Se a lua cheia ocorrer durante o equinócio, os cálculos eclesiásticos tendem a forçar a próxima lua cheia para determinar a data da Páscoa”.

Cordeiro pascal

Sendo assim, a comemoração da Páscoa judaica e cristã possuem aspectos astronômicos distintos quanto ao dia em que são celebradas. A história mostra que a separação do calendário bíblico foi deliberada. Porém, o sentido espiritual continua sendo o mesmo.
Enquanto judeus celebram o Pessach (‘passar por cima’) eles lembram do livramento do Egito, que teve o ápice quando o anjo da morte poupou apenas as casas daqueles que tinham crido na promessa de Deus e aspergido com o sangue do cordeiro. (Ex.12:11-27)
O cordeiro morto tinha de ser macho e não podia ter defeito. Não podiam ser quebrados seus ossos.  Jesus foi, numa metáfora, o cordeiro de Deus sacrificado para que sua morte oferecesse, a liberdade do pecado e a passagem da morte para a vida eterna.
Adaptado de One for Israel
Por: Jarbas Aragão

quarta-feira, 28 de março de 2018

PROJETO DIAS TOFFOLI, COM A LEI: OS INTOCÁVEIS DA CORRUPÇÃO.


Com a ação, manobra e projeto, o iníquo magistrado Dias Toffoli visa tornar autoridades criminosas e corruptas da política nacional em inatingíveis, por instâncias inferiores e/ou menores da justiça, a saber: a 1ª e 2ª instância. Para Toffoli, políticos do auto escalão, os chefões da corrupção em Brasilia (ministros, deputados, senadores e Presidente da República) devem ser julgados somente pelo STF.
- Em outras palavras, o ministro Toffoli está afirmando que as autoridades corruptas pertencem a uma classe de criminosos e de brasileiros diferenciados – são especiais! -Assim como a classe dos magistrados do STFI – Superior Tribunal Federal da Injustiça; e com isso, só poderão e só deverão ser julgadas, por juízes “especiais” como própio Toffoli.

A autodelação do escárnio à sociedade
Uma autodelação obcena, um escárnio da sociedade brasileira. A maior delação premida do país é feita pelo própio STF; -o prêmio pela autodelação?: O estabelecimento e a legitimação da impunidade; a legalização do crime aos que tem a alcunha de autoridade política; e principalmente o poder exclusivo para “julgá-los”.
Dessa forma, o STF sancionará a em breve a Lei dos Corruptos Intocáveis, a proposta já foi envida ao plenário do Supremo, para ser avaliada, analisada e aprovada pela Corte Suprema, que, conforme informações, a proposta conta com o apoio da maioria, pois 7 dos 11 ministros seriam a favor de mais um reforço para a blindagem de corruptos em nosso país.
O pior é que diante desse cenário tenebroso que vivemos, há grande possibilidade que Dias Toffoli - o juiz iníquo poderá ser o próximo presidente do STFI – Supremo Tribunal da Injustiça. Entre as ultimas decisões do referido magistrado em favor de criminosos corruptos da política nacional, liberou Paulo Maluf para ir pra cumprir “prisão” domicilair, na ultima terça-feira 27, votou a favor do arquivamento da denuncia contra Romero Jucá, e também votou pela soltura de dos maiores criminosos da política nacional, Jorge Picciane está liberado pra ficar em casa, todos sabemos o grau do mal que esse parlamentar causou a população do estado do Rio de Janeiro é um dos chefes da organização que levou o estado a falência e ao caos social. Libertado pelos ministros da Suprema Corte: Dias Toffoli e Celso de Mello. Só lembrando que Dias Toffoli foi delatado pela empreiteira OAS.
Nos últimos julgamentos escandalosos, a estratégia sórdida de alguns magistrados, é a de se ausentarem durante as sessões de julgamento, uma espécie de revezamento, isso, para não ficar evidente o que e a quem defendem, ou seja, o proceder deles a favor da corrupção. Na ultima quinta-feira, o ministro Marco Aurélio se ausentou da votação do Habbeas Corpus de Lula, ontem no Julgamento de Jucá e Picciane ausentaram-se Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowiski. – Aí você já percebe o moddus operandi dos ministros da suprema corte do nosso país.

sábado, 24 de março de 2018

Jesus não defendia bandido; isto é “fake news”

Ai daqueles que ao mal chamam bem, e ao bem, mal...

Compartilhamento (Gospel Prime)

Em seu clássico “1984”, o escritor inglês George Orwell narrava como seria um futuro distópico, de uma sociedade completamente dominada pelo Estado, onde tudo era feito coletivamente, mas cada pessoa vive sozinho.
Dois conceitos propostos por ele se eternizaram como expressão de uma lógica absurda, mas que parece ter se normatizado nos últimos anos. O “duplipensar” era definido como “o poder de manter duas crenças contraditórias na mente ao mesmo tempo, de contar mentiras deliberadas e ao mesmo tempo acreditar genuinamente nelas, e esquecer qualquer fato que tenha se tornado inconveniente”.
Já a “novilíngua” propunha a “condensação” e “remoção” do sentido de palavras e de alguns de seus sentidos, com o objetivo de restringir o escopo do pensamento. Ficava estabelecido pelo seu criador, o “Ministério da Verdade”, declarações como “Paz é Guerra, Ódio é Amor, Liberdade é Escravidão”.
No Brasil, depois de décadas onde o marxismo cultural foi sendo lenta e continuamente instalado, nos deparamos com manifestações de “duplipensar” e “novilíngua” mesmo na igreja.

Apesar de terem acesso à Bíblia, muitos parecem não lembrar que centenas de anos antes o profeta Isaías já alertava sobre isso, quando escreveu sua revelação do Senhor: Ai daqueles que ao mal chamam bem, e ao bem, mal, que mudam as trevas em luz e a luz em trevas, que tornam doce o que é amargo, e amargo o que é doce!” (Isaías 5:20).
O que temos visto são afirmações contundentes sobre o que é “certo”, mesmo que seja “errado” e vice-versa. Aqui e ali manifestações de grupos minoritários que se autodenominam evangélicos ganharem espaço na mídia para seus ensinamentos como se fossem os representantes de um todo um segmento da sociedade.
Surgem então as “igrejas inclusivas”, onde pecado não é mais pecado. Na lógica da novilíngua, “o errado é certo” e quem reclama disso é “intolerante”, pois diz que “o certo é errado”. Temos assim as “aborteiras cristãs”, as “feministas cristãs” e os “cristãos favoráveis às drogas” e os “cristãos de esquerda”.
Dentro da guerra de narrativas, travada todos os dias neste país, vem sendo recorrente o pensamento de que “Jesus defendia bandido”.

No Natal de 2017, a “Quebrando o Tabu”, página que tem grande influência nas redes sociais, postou uma mensagem de Natal que foi compartilhada mais de 17 mil vezes.

domingo, 18 de março de 2018

Marielle e o viés político-ideológico em torno de sua morte.


 Nos sistemas do Brasil, a morte de alguns tem status! A mídia, os sistemas: Legislativo e Juciário fazem a seleção de quem é importante, e, de quem é insignificante. M. Patriota!

Por: Mendes Junior
O Patriota! 

-Hipocrisia obscena e fétida de correntes políticas-ideológicas, as quais, uma grande parcela do povo brasileiro faz parte e sucumbe na ignorância de uma cultura de segregação, de um posicionamento e discurso de ódio - do conflito social; que é apregoado por suas lideranças, as quais dizem combater; porém, esse posicionamento e discurso é muito mais protagonizado por essas pessoas, que por aquelas, as quais, elas acusam, como  é caso, da vereadora que era integrante de uma militância, e, que adotava um discurso de extrema intolerância e revanchismo em relação aos que se opunham aos seus posicionamentos ideológicos.

Assistimos o sensacionalismo da cobertura demagógica orquestrada, a mega divulgação protagonizada pela mídia nacional, especialmente pela Rede Globo de Televisão, que tratou de disseminar por meio de seus correspondentes pelo mundo, principalmente na Europa, acerca do fato ocorrido.

A emissora vem fazendo a maior dramatização em torno do assassinato de uma pessoa, de um ser humano e da sua vida ceifada por criminosos na última quarta-feira  14 de março. A violência é monstruosa no Rio de Janeiro, onde o crime tem domínio e, está instalado nos mais altos escalões das esferas do poder no estado – um poder paralelo entre crime organizado, políticos e instituições.

 –Falo aqui, de forma a não querer dar status à vida de uma pessoa, de um ser vivo - por conta do cargo, patente de autoridade, fama, raça, etnia, gênero, classe social, ou, posição, a qual, ele ocupe na sociedade. –Pois, o que vale, é o valor impar da vida do ser humano, independentemente de qualquer um desses critérios; – diferentemente do que fazem a mídia e o sistema dominante que classificam o valor do ser e de sua vida por posição social, status, fama, influência e o poder aquisitivo que ele tenha.

É por conta desses critérios de classificação citados acima, os quais, a mídia aplica e prega em coparceria com esses grupos e organizações, como sendo, o politicamente correto - é que vemos tantos atos e/ou ações injustas em nosso país - e o pior, vendo a vida de uns, sendo classificada como mais importante que a de outros; e a consequência de disso tudo, é uma sociedade em completa decadência, destroçada e que sucumbe a cada dia – estamos sendo jogados, empurrados para um abismo de conflitos, doutrinados a destruir os valores morais e da essência da nossa própria existência, e isso, feito por grupos que lucram e se mantém por meio desses artifícios ideológicos.    

A hiper valorização em cima de determinados indivíduos, em torno de suas imagens, situações ou fatos ocorridos com eles, tem um efeito hiperbólico nos meios de comunicação, em uma imprensa imparcial, não só, no caso específico da vereadora Marielle Franco, por fazer parte de um grupo político e de uma organização, a qual, essa mesma mídia é simpática às ações e posicionamentos, ou seja, que comungam dos mesmos objetivos ideológicos, os quais o sistema Globo classifica como interessantes para massificar, intensificar a cobertura nas suas programações.

É condição indispensável evidenciar que muitos desses grupos patrocinam a alienação e doutrinação da mídia sobre um povo desamamentado e desnutrido de educação e de uma cultura de qualidade que produza nesse mesmo povo, a capacidade de questionar e rejeitar o que, o sistema lhes impõe; um povo desprovido de conhecimento da verdade; e, alimentando à base de um cardápio temperado, recheado e, também totalmente coberto de ideologias de um sistema político e midiático dominante que produz o engodo de alienação da grande massa, por meio de programações, que alimenta a muitos indivíduos em nossa na sociedade à pão e circo das telenovelas, big brothers, malhação, tele jornais, programas de entrevistas ideológicas, um fantástico de um vídeo show para desinformar, desinformados funcionais do entretenimento midiático, indivíduos que gastam grande parte seu tempo, para entorpecer suas mentes com superfluidades – aquilo que é fútil.

 Temos uma imprensa mentirosa, a qual é regida por um sistema dominante que exerce um poder escravizador das massas, uma massa populacional sem conhecimento e adestrada a seguir e a reproduzir a corrupção: corrupção política, comportamental, cultural, ética e dos valores morais - a indução da nossa sociedade à prática de depravações.

A hipocrisia explicita e obscena evidenciada pela grande manifestação orquestrada por um grupo de pessoas presas e orientadas e até mesmo patrocinadas por determinadas lideranças de organizações que fizeram uso da morte da vereadora Marielle para transformá-la em atos políticos-ideológicos, que em nada tem contribuído para que esse país caminhe por trilhos de justiça, ordem e progresso, mas sim, em extrema anarquia, desordem, desrespeito e decadência.


-Ao mesmo momento que a vereadora Marielle fora assassinada, outras tantas pessoas, trabalhadores, trabalhadoras, policiais, crianças, homens e mulheres, foram assassinadas, também perderam suas vidas, porém, esses, não tiveram tamanha repercussão e evidencia na mídia. -O que se vê na mídia nacional e, entre determinados grupos de pessoas que compõem a nossa sociedade é o cinismo e a hipocrisia dos seus posicionamentos, sensacionalismos absurdos, demagogias - falaram que o Brasil todo se comoveu com a morte de Marielle, - o que não é verdade, embora muitos brasileiros respeitem e valorizem à vida de seus semelhantes, mas, a conotação do sentimentalismo e da sensibilidade demagógica, não cabe; é meramente uma tentativa sentimentaloide da mídia em dar ao ato uma conotação falsa de comoção nacional. A mídia na verdade constrói e trama seus roteiros conforme os seus interesses e dos seus patrocinadores.

Agora porque é político e por fazer parte de um grupo político-ideológico, a morte da vereadora é a mais importante, é mais chocante, é mais sentida, é a mais violenta, é mais aterrorizante - é mais morte do que as outras que ocorreram quase que simultaneamente pelo país? - E até, em situação semelhante! Outros brasileiros, trabalhadores, trabalhadoras,  pais de famílias, mulheres e mães brancas morreram, são gente e suas mortes, não moveram o país, organizações não se mobilizaram, a mídia nacional, a Globo, a mídia internacional e uma serie de oportunistas e hipócritas nem se importaram em evidenciar esses casos. O que na verdade querem evidenciar são os seus interesses pessoais, suas ideologias -tão somente para serem privilegiados.

Então, o que se percebe, é que estamos cansados de ver e rever esses absurdos no Brasil, onde a morte tem status, ou seja, se, um individuo pertence a uma classe, a um grupo representativo de destaque, seja nas artes, na política ou em qualquer outra área, e, que assim, o sistema e a mídia o julguem e lhes conceda status de pop star, nesse caso, a morte é significativa, só nesse caso morreu alguém, só inserido nessas condições deve haver uma imediata investigação e elucidação; só nesses casos, tem que a haver a imediata captura dos autores do crime, só nesses casos os autores devem ser punidos de forma exemplar, só assim, a Globo e o sistema midiático devem alardear, disseminar para o mundo, como que a vida dessas pessoas e elas estejam num patamar superior, mais importante que, a de todos os outros milhares de brasileiros que são assassinados, e tem seus casos desprezadas e caem no esquecimento da lei e do sistema judiciário. Vocês observaram a abordagem em relação ao motorista, Anderson Pedro que também foi vitima e que também morreu? Ele era branco, pobre, talvez morador do morro, de uma favela, e só lembrando ele também era um ser humano. Quem se mobilizou de forma tão enfática em relação à morte  dele?

 Ouça o que diz, esse morador do Rio
No caso de uma militante de algum grupo e/ou parlamentar que faz parte de uma sigla partidária e de um sistema que se diz lutar pelos direitos de todos – o que não corresponde a verdade; essas lideranças  não lutam por direitos de fato da sociedade, mas sim, por suas convicções ideológicas e interesses que lhes favorecem, e assim, mantêm sobre seu controle, uma grande parcela da população, composta por gente fraca, desassistida, desnutrida de valores, de ordem, de respeito e principalmente desnutrida e desprovida de conhecimento para se libertarem das amarras do seus opressores; indivíduos que seguem a qualquer loucura ideológica, ilógica; que lhes é apontada e muitos fazem isso, pelas migalhas que lhes são jogadas, por uma falsa liberdade e, um falso direito; tais lideres fazem essas pessoas acreditarem  cegamente em suas falas, em seus discursos e os seguem como a súditos –sem fazer o mínimo de reflexão, se o que estão seguindo é certo e direito.

As acusações acerca do assassinato da vereadora foram direcionadas a atingir principalmente aos que se opõem as ideologias defendidas por ela, e por seu grupo político. A mídia se pautou nessa abordagem do politicamente correto, de algo motivado pela intolerância, preconceito de gênero e descriminação; porém, a mídia até então, não abordou sobre a possibilidade do assassinato ter ligação com o crime organizado, pois, como estão acuados podem ter se utilizado dessa estratégia para acirrar os ânimos e o conflito ideológico entre grupos de interesses opostos, comunidade vitima da polícia, o pobre e negro favelado perseguido e vitima do sistema e da sociedade - como afirmam numa tentativa de que organismos internacionais e a mídia classifiquem a intervenção federal no Rio, como sendo um massacre da comunidade e de inocentes, não sabendo que essa inevitavelmente será uma estratégia do próprio crime organizado para que cerco militar, que tem como missão desarticular e combater esse mesmo crime organizado seja retirado do Rio, o mais breve possível.

Juiza faz revelações sobre Marielle
 Uma outra possibilidade nesse assassinato, como já estamos cientes, que há um poder paralelo e uma coparceria entre o crime organizado e políticos do estado nas disputas eleitorais, essa possibilidade não pode ser descartada nessa disputa de crime organizado e  crime político na guerra pelo poder e domínio do Rio de Janeiro, pois, já circula pela internet que vereadora teria um possível envolvimento com facções, mas, essas são questões que devem ser investigadas de maneira aprofundada, para a elucidação do caso, assim como, a morte de outros parlamentares e outros cidadãos assassinados no Rio, e não somente, ou com exclusividade  para caso da vereadora.

segunda-feira, 12 de março de 2018

Investigações fecham cerco sobre Temer

Compartilhamento (Zero Hora)
A quebra do sigilo bancário de Michel Temer e de três pessoas de sua confiança, somada à inclusão de seu nome no inquérito do quadrilhão do PMDB, deflagrou novo embate do Planalto com as autoridades que o investigam. Irritado com o que considera voluntarismo do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso e do delegado da Polícia Federal (PF) Cleyber Lopes, Temer passou os últimos dias estudando formas de reagir às investidas. 
– Vai ter troco, pode ter certeza – diz um assessor do peemedebista. 
A maior inquietação do presidente é com o inquérito que apura corrupção e lavagem de dinheiro na edição de um decreto que beneficiou empresas do setor portuário. Além de Temer, tiveram o sigilo bancário quebrado os ex-assessores José Yunes e Rodrigo Rocha Loures, bem como o coronel aposentado João Baptista Lima Filho, todos apontados como operadores do presidente.
Na última sexta-feira, Temer foi a São Paulo avaliar com o advogado Antônio Mariz e Yunes os dados de seus extratos bancários. De volta a Brasília, reuniu-se no sábado com a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia. Temer alegou que pediu a audiência informal para discutir segurança pública, mas sabe-se que aproveitou o encontro para reclamar das recentes decisões judiciais tomadas pela Corte.
O temor do presidente remonta ao final da manhã de 10 de maio de 2017. Na ocasião, reuniu empresários e políticos no Palácio do Planalto para celebrar o decreto que renovava por até 70 anos, sem licitação, os contratos de arrendamento do setor portuário. 
– Estamos trazendo o Brasil para o século 21 – disse, ao assinar o documento, salientando investimentos de R$ 23 bilhões da iniciativa privada. 

A prometida modernização dos terminais ainda não ocorreu, mas a medida fez de Temer o primeiro presidente a ter a movimentação financeira devassada por determinação judicial. Indignado com a decisão de Barroso, prometeu entregar nos próximos dias os extratos de sua movimentação financeira não só à Justiça mas também à imprensa, pois, segundo interlocutores, tem certeza de que os dados “acabariam vazando”. Não foi a primeira vez que o presidente reagiu com indignação à investigação. Confrontado com 50 perguntas formuladas por escrito pelo delegado Lopes, deixou várias questões sem resposta e disse que alguns questionamentos colocavam em dúvida sua “honorabilidade e dignidade pessoal”.